Nassif x Gravataí – eu já escolhi o meu lado

outubro 7, 2009

AVISO: ISTO AQUI DEVE FICAR BEM COMPRIDO. Amantes do “estilo Cosme Rímoli” e de outros blogueiros tatibitati, desistam já. Ou vejam o filminho, que é bom!

————————————————–

Dissimulado: adj. e s.m. Que ou aquele que tem o hábito de dissimular; enganador; hipócrita. / Que é feito com dissimulação: sorriso dissimulado.

(definição do “Aurélio Eletrônico”)

—————————————————

Antes de começar, vamos às preliminares: o blogueiro que vos escreve apóia o Governo Lula, como qualquer ser humano minimamente atento pode perceber. Seus ideais e visão política se assemelham (excetuadas as características “fundamentalistas” de alguns) às de muitos dos frequentadores da autodenominada “mídia independente”. Não conheço o Gravataí Merengue/Fernando Gouveia pessoalmente, apenas leio o “Imprensa Marrom” há coisa de uns três anos, e tivemos várias divergências na caixa de comentários. Eu “sigo” o twitter dele, e ele me “segue” também. Por lá, também já tivemos umas rusguinhas. Eu o considero um bom debatedor, tem bons argumentos, mesmo quando defende coisas que considero indefensáveis. É um contraponto bastante interessante na internet, sempre fica no campo das idéias. E isso eu admiro. Acredito ser mais útil ouvir um divergente, sempre se aprende mais, fortalece nosso discurso, ou mostra um lado que nunca conheceríamos ouvindo só as vozes que repetem aquilo que estamos carecas de saber.

Quem frequenta este mísero espaço sabe muito bem o que eu penso a respeito da Soninha Francine, sub-alcaide da gloriosa Lapa. Gravataí trabalhou no gabinete da então vereadora Soninha. Não sei qual a relação atual dos dois, e também não me interessa.

Bem, todo esse palavrório aí serve para mostrar que, se eu tivesse de escolher um lado para defender entre Luis Nassif e Gravataí Merengue, por, digamos, “afinidade ideológica”, defenderia Nassif, certo?Veremos.

Vencidas as preliminares, vamos ao mérito: hoje pela manhã, ao abrir meu twitter, dei de cara com o seguinte post de Luis Nassif: “O endereço de Gravataí Merengue”. Exatamente: Luis Nassif “pediu ajuda” aos frequentadores de seu blog para descobrir o endereço de um cara que ele quer processar. Não fosse o ridículo do apelo (afinal, qualquer adEvogado de porta de cadeia sabe como conseguir um endereço), Nassif “esqueceu-se” de que, há coisa de uns meses, ELE DIVULGOU, NO MESMO BLOG o endereço residencial do Gravataí. O endereço, o nome da mãe do cara, telefone e o escambau. Mediante pedido, apagou. Isto mesmo, Goebbels: o cara faz um post no blog para conseguir um endereço que ele já tinha. Entendeu? Não? Eu vou dar a minha explicação.

Nassif adora “jogar para a torcida”: colocar este post hoje serviria para “requentar o assunto”, e fazer com que alguns comentaristas raivosos se lembrassem do “assassinato de reputação” cometido pelo Gravataí contra ele, o pobre e injustiçado Nassif. Alguém aí sabe o que tinha no tal “blog apócrifo”? Eu vi: tinha DOCUMENTOS. Sim, amiguinhos: documentos PÚBLICOS, cópias de uma AÇÃO DE EXECUÇÃO promovida pelo BNDES contra a Agência Dinheiro Vivo, de Nassif. Execução que terminou num acordo entre as partes. Não havia “segredo de justiça” decretado no processo. Qualquer um poderia ir até o fórum e ver os autos. Gravataí, de posse desses documentos PÚBLICOS e não protegidos por qualquer forma de sigilo, analisava, juridicamente (ele é advogado), ponto a ponto, os termos do acordo, comparando-o com os usualmente firmados pelo Banco com os demais clientes. Rolava um sarcasmozinho? sim. Rolava uma ironiazinha? sim. Mas não rolava nenhuma DIFAMAÇÃO. Pelo menos, que eu me lembre. Ao final, Gravataí, sob outro pseudônimo, constatava que houve favorecimento inusual incomum a Luis Nassif. E, insinuava (aí eventualmente rolaria uma difamação), de que LN teria “aderido” ao governo em troca de um “perdão” de parte da dívida. Mas isso, dentro do jornalismo, é tão difamatório quanto dizer que o Frias e o Marinho são golpistas. Bom, mas aí a parada é com quem vai julgar a lide.

Nassif conseguiu fazer com que o Blogger retirasse a página do ar. Portanto, a não ser que você seja tão “curioso” quanto o Gravataí e vá ao fórum olhar o processo, ninguém mais vai ver como foi o tal acordo. Sobraram uns pitaquinhos por aqui. Por favor, peço encarecidamente a quem for comentar: não entro no mérito deste link, muito menos vou “recomentar” acusações à dona do blog. O assunto aqui é somente a forma pela qual Luis Nassif ataca as pessoas e depois corre para a “barra da saia” dos comentaristas-apoiadores-comunitários, se fazendo de coitadinho, de perseguido. Eu mesmo já passei por isso, lembram?

Pois bem: ao ver esta barbaridade (fazer post pedindo para leitores “acharem” Gravataí/Fernando na lista telefônica), postei um comentário. Ficou na moderação, mas alguma coisa me dizia que não seria publicado. Fiz um print-screen, mas eu não sei fazer essa porra direito. Transcrevo a seguir.

O print do comentário que deixei, devidamente apagado pelo Nassif. Desculpem, mas eu não sei mexer com isso.

O print do comentário que deixei, devidamente apagado pelo Nassif. Desculpem, mas eu não sei mexer com isso e fazer ficar grande.

Está escrito assim: “Peraí: você colocou um post no blog para pedir endereço de um cara que você quer processar (ou já processou)? Ah, Nassif, me desculpa mas isso é ridículo e me faz pensar que, mais que o “endereço”, você está é querendo atacar o cara, insuflando as pessoas contra ele.”

Como bem previu meu sexto sentido, o comentário foi apagado. Se você for ao post dele, verá um outro comentário, onde o Jaílton disse quase a mesma coisa, só que deu uma “apeladinha”; a esse ele respondeu, com ironia besta, e logo veio um cão-de-guarda defendê-lo. Por que não publicou o meu? Simples: porque explicita o “jogo pra galera” que ele tentou fazer! Mesmo se respondesse, xingasse, chamasse a tropa de choque pra me detonar, o comentário ficaria registrado, e poderia induzir outros a pensarem o mesmo sobre o caso! É o lance de ver os dois lados da coisa, ou duas versões sobre o mesmo fato.

E antes que venha alguém dizendo que eu escrevi isso por razões idiotas como “ficou magoadinho porque ele não publicou…” e sandices congêneres, digo: eu já mantenho esta porra de blog para escrever livremente o que eu bem entender. Por isso mesmo, não tenho AdSense, não faço “parcerias”, “promoções”, “posts pagos” e outras cositas más que vivem nos oferecendo, JUSTAMENTE PARA PODER SER O QUE BLOGUEIROS “PROFISSIONAIS” NÃO PODEM: LIVRE. Cago muito e ando mais ainda para comentários que eu faça em blogs alheios. Evidentemente que não os faço para que sejam sumariamente deletados, mas consigo perceber que, quando isso acontece, fica clara a falta de vontade do blogueiro em conviver com uma opinião divergente. Não “trollo” blog, e não permito “trolls” aqui.

É esta a “mídia independente, que combate o PIG”, que acusa o “PIG” de censurar cartas e emails? Ah, tá. Mas, pelo menos, eles não imprimem “pedidos de endereço” dos desafetos nos seus jornais e revistas.

Esse discurso “vitimoso”, do “esquema barra-pesada”, do “Davi x Golias”, logo, logo, não vai colar nem dentro da sua própria “comunidade” (na qual estou inscrito), Nassif. Aliás, por conta deste comentário, você me bloqueou até no twitter. Jájá vai aparecer um “soldado” seu, gritando: “olha lá, Tio Nassa, tem um direitoso/neocon/piguento infiltrado na nossa “comu”, inseticida nele!”. Bem parecido com um local que dizem ser “o esgoto da internet”. Mudam as moscas, mas a merda fede igual.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 432 outros seguidores