Isn’t She Lovely?*

Terça-feira é especial para mim. É o dia do rodízio do meu veículo. Acordo, pego minha mochila, vou até o ponto de ônibus pegar o cata-loco pro serviço. É um dia calmo, ônibus vazio, fone de ouvido rolando notícias.

Depois de um belo e produtivo dia de trabalho, troco de roupa e volto pra casa, andando por 8 km. Pouca coisa, quando se está disposto e escutando um Songs in the Key of Life do mestre Wonder, misturado com Echo & the Bunnymen.

Ponte da Vereador, Ibirapuera, Pavão, Quatá, Hélio Pelegrino, 16°C, trânsito tranqüilo. Na trilha sonora, Isn’t She Lovely. Neste momento, cruzamento da Amauri, atravessando a rua em seu último quarto, o semáforo abre para os carros. Contrariando a música que escutava, enquanto corria com a mão espalmada, pedindo ao mesmo tempo desculpas (e mais tempo para terminar a travessia), uma bela moça em seu veículo (fabricado por uma marca originária de um país onde a desonra muitas vezes resulta em haraquiri) acelerou, buzinou e mostrou o dedo médio para mim. O mesmo gesto que o Cristian do Timão fez em certa oportunidade, só que sem cruzar os punhos.

Para azar da extrema e externamente linda garota, ela ficou presa no meio do meu caminho. Não me alongarei contando a conversa que tive com ela, pois a moça é tão mal educada que o nobre leitor não merece ler os argumentos da acéfala dendroclasta: é mal educada, não sabe viver em sociedade e desconhece completamente as leis de trânsito. Conheci a biliar garota pelo lado negro de sua personalidade; do contrário, pegaria-a, fácil.

Segui meu caminho pensando sobre o ocorrido e cheguei à conclusão de que a moça nunca gastou sola de sapato nas ruas de São Paulo. Talvez tenha algumas caminhadas em Shoppings ou ruas comerciais, mas caminhar de verdade, enfrentando a ausência de setas de conversão, os sinais vermelhos e faixas de pedestres desrespeitados, calçadas inteiras em 30° (andar inclinado é foda), buracos, lixo, carros sobre o passeio… Nunca.

Escutando a versão do Echo para People Are Strange, percebi que a tal “moça bonita por fora” mudou meu foco para as coisas ruins do trajeto, e quase me esqueci de agradecer outra lindona que, educadamente, parou antes da faixa para que eu passasse.

* (texto do André Nogueira, só dei uma copidescada de leve – e troquei o título. Disculpaí…)

About these ads

4 respostas para Isn’t She Lovely?*

  1. Vinicius Duarte disse:

    Opa, o “disculpaí” foi só para o André, por eu ter trocado o título original e pelas mutilações, certo?

  2. Alê disse:

    -
    Gosto de andar. Na verdade prefiro caminhar a qquer outro tipo de locomoção. Minto. Tb gosto muito de cavalgar e bicicletar. Mas em sampa, só dá pra caminhar mesmo. E só não caminho mais amiúde, pq demora. Meu problema nunca é a distância, mas o tempo de percurso. Faço tranquilamente uma légua por hora, apreciando a paisagem urbana, numa boa.

    Com relação à sola de sapato, tenho uma estória boa.

    1990. Fui da primeira turma do curso de jornalismo do Estadão (adotem os focas!). Ao término do curso, fomos todos convidados a tomar um café da manhã na sala do Dr. Julio, com o próprio.
    Papo vai, papo vem, dr. Julio resolveu sentar-se em uma poltrona bem à minha frente (eu estava sentado em um sofá, com mais alguns colegas) e cruzou as pernas, mostando a sola do sapato.
    Era um sapato velho, confortável, com muitos anos de uso; vincado, surrado, mas em bom estado e, via-se, de boa qualidade.

    O detalhe inusitado (ao menos para mim) é que o solado, de couro, brilhava de lustro. Brilhava. Fiquei imaginando que maluquice era aquela de engraxar a sola de sapato.

    Foi qdo me dei conta: aquele solado (e por extensão, aqueles pés) estava lustroso pq, em anos, NUNCA HAVIA PISADO FORA DE UM TAPETE!

    Foi aí que eu entendi plenamente o significado da palavra estirpe.

    Alê
    -

  3. André Nogueira disse:

    kkk.Vc locupletou meu texto! uhu
    Mutilou pouco, quase nada! Tks Vini Revisor Pasquale!
    Melhorou deveras.

    Aqui é o 2º paraíso da locupletação (o 1º fica na R. São Jorge, 777). Não corrigi português. Ou não precisou, ou cometo os mesmos erros, portanto acho que está certo.

  4. Por acaso a moça “tava” numa Kombi? kkkkkkkkkk
    Quer coisa mais nipônica, em SP, que uma kombi?

    Já tomou umas, né? rsrs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 436 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: