Tormento Olímpico – 4

O PAItrocinador do César Ciello Filho quase não viu o PAItrocinado nadar em Pequim: não tinha ingressos. Mas Coaracy Nunes, o eterno presidente da CBDA não estava preocupado com isso. A Globo, que ofereceu o estúdio do Sportv para a mãe do Thiago Pereira – o “Michael Phelps do Pan” -mostrar sua aflição ao vivo, também não estava, pois não sabia que o Ciello era tão bom assim. Quando viu o brasileiro chegando à final dos 100m. livres, tratou de socorrer os desesperados pais do nadador. Antes tarde do que nunca.

Ciello ganhou a primeira medalha de ouro da natação brasileira, e recebeu-a do Coaracy. Junto com ela, vieram dois beijos em sua face. Beijos de Judas, de um dirigente oportunista que vive da CBDA há séculos, na face de um cara que mora e treina nos EUA há quatro anos, e que não depende, EM NADA, da CBDA. E que a imprensa brasileira não conhecia, tanto que nunca depositou as fichas nele.

Enquanto isso, Renato Maurício Prado, de “O Globo”, classificou como “mico” o desempenho de Jade Barbosa, 10ª ginasta do mundo no individual geral. Tratou das quedas da Jade da mesma forma que analisa os gols perdidos do Obina no campeonato carioca de futebol.

BRASIL-SIL-SIL-SIL!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: