O "subprime" no Largo da Batata – cap. 1

Esta é a apresentação de uma novela bastante comum em São Paulo e nos grandes centros urbanos. É a história de Maicon Uélinton Silva (o popular Maik), um jovem de 20 anos, morador da Vila Nova Cachoeirinha, zona norte de São Paulo, com ensino médio completo em escola pública e operador de telemarketing (seu primeiro emprego, desde os 18). Maik mora com os pais, ganha R$ 1.000,00 – “limpos”, como ele gosta de dizer -. 

O empregador do Maik abriu uma conta-salário pra ele. O banco, numa política “agressiva” de crédito, deu a Maik um cheque especial com limite no valor do seu salário, com taxa de 12% ao mês. O moleque é sangue bom, ficha limpa na SERASA, levou também de presente um cartão de crédito de igual limite. Deixou disponível também, no terminal de auto-atendimento, um crédito automático (CDC) de 500 mangos: é só digitar a senha, ninguém pergunta nada, nem precisa assinar. Paga parcelado em até seis vezes, com juros de 5% ao mês. Isso sem contar a linha de crédito consignado, com desconto direto na folha de pagamento: aí os juros caem bastante, coisa de 2% ao mês. A exigência era de que o valor da parcela não ultrapassasse 25% do seu rendimento BRUTO.
Maicon nunca tomou dinheiro no banco. O limite do cheque especial, raramente usava – “loucura”, dizia ele. Era um cara bem responsável. Mas também, apesar do salário “limpo”, nunca poupou uma moeda: no fim de semana, era balada, churrasco pra família, presentes e rolês com a namorada Jéssyca Evelyn de Oliveira, a , uma bela morena de cabelos negros, longos e encaracolados. Jé estava no terceiro ano do ensino médio, era da mesma escola onde Maik havia estudado.
“Não tinha tomado dinheiro no banco” é um pouco força de expressão: ele já havia, sim, contraído dívidas. Tem cadastro nas Casas Bahia, comprou lá um DVDokê e um aparelho de som de 1500W RMS, eletrônicos que animam os churrascos na laje da casa dos pais. Laje que ajudou a erguer, comprando o material parcelado na Telhanorte e suando para enchê-la aos sábados e domingos. Já está tudo quitado, direitinho. Agora é só levantar, “com calma”, o cômodo onde pretende morar com a Jéssyca. Mas isso é pro futuro, a mina só tem 17 anos. Maik pensa no futuro.
Mas Maik tinha um sonho urgente, tão comum em SP quanto a história da sua vida: ter um “carrinho”, só para “fazer um pião” nos fins-de-semana. “Carrinho”, claro, é força de expressão: ele quer um carro que chame a atenção dos amigos e das minas: uma “sonzeira nervosa”, subwoofer, caixa selada, módulo, rodas “Orbital” aro 17 com pneus 245×35. Suspensão a ar (aquela que levanta e rebaixa o carro) seria “bem loco” também. Pode ser Palio, Gol Bola, Corsinha. Mas, se a grana não der, pega um maior e mais velhinho: Tempra, Santana, Omega. É, mas aí tem de pôr GNV, porque na gasolina fica caro demais. Mas que anda, anda! Mete um turbo? Vixi, é só espirro na oreia dos maluco!
Todos os dias, de dentro do busão que o levava ao trabalho, fitava pela janela as lojas de automóveis da Eng. Caetano Álvares: os carros reluzentes, expostos sobre a calçada, com inscrições a giz nos pára-brisas: “99, lindo, completo, fin. até 60x s/ent.“. “Vixi, mano, ói qui loco aquele Tempra… Será que é turbo???…”, sonhava acordado o Maik. E seguia na caça, até que o coletivo saísse da avenida-passarela por onde desfilava o sonho de 9 entre 10 passageiros daquele ônibus lotado.
Anúncios

2 Responses to O "subprime" no Largo da Batata – cap. 1

  1. André Nogueira disse:

    O texto até o momento está ótimo. Prevejo um final trágico, mas espero que o mano Maicon tenha se dado bem.
    Agora, sensacional é a frase da semana!!
    Uma das coisas que sua biografia não fala é sobre o fato do Fernando Pessoa adorar atrasar um carnê das “Casas Coimbra”. Não podia escutar “quer pagar qto” que já ia gastar. (desculpe FP)
    Abraço!

  2. Vinicius Duarte disse:

    “casas Coimbra”…kkkkkkkkkkkkkk

    E quando tiver frases idiotas como essa, mande (e sugira o “autor”). Afinal, “blogs importantes” devem fazer “citações clássicas”…rsrsrs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: