Fretados: por que Kassab acertou

Antes que venha merda algum comentário desairoso, um aviso: este aqui votou e apoiou (no 2º turno) Marta Suplicy nas últimas eleições para prefeito de SP. Por isso, posso falar de boca cheia: nota DEZ  na questão “fretados”, Chucky e Carequinha A. de Morais!

Esse papo de “fretado” me incomoda há muito tempo, porque é uma aberração típica paulistana. Como há muita dificuldade em entender isso, faremos uma analogia com outro problema grave da cidade: habitação.

Existem muitas pessoas sem teto em SP. Suponhamos que eu fosse uma delas. Aí, para resolver o meu problema de moradia, eu começasse a construir uma casa no meio de uma praça pública. Isso, aquela pracinha bonitinha, lá perto da sua casa, e que você leva o seu cachorro para passear aos domingos. Qual o problema? Afinal, é um terreno vazio, eu preciso de um teto, “us pulítico roba e não dá casa”…pronto: juntou a fome com a vontade de comer. Comparação ridícula? As favelas nascem assim, com esse pensamento (“vejo o meu lado, o resto quisifoda”). Não? Veremos.

Numa cidade organizada, existem APENAS três formas de se locomover: o modo autônomo, usando suas pernas que Deus deu; o modo transporte individual (bicicleta, moto, carro, táxi, helicóptero); e o modo COLETIVO (ônibus, trem, metrô, barcas…). Como todo mundo quer se deslocar (em qualquer um dos meios acima), a administração da cidade tem de impor REGRAS DE CIRCULAÇÃO, porque senão vira zona. Vá a Bombaim, ou assista a novela das oito (AREBABA!) e você vai visualizar como é a “zona”. É por isso que existem as calçadas e faixas de pedestre (para as pessoas se locomoverem no modo autônomo); as ruas (para as pessoas andarem com carros e para o transporte COLETIVO por ônibus); e os trilhos (para os trens). O administrador da cidade tem de fazer com que esses três ÚNICOS modos de locomoção sejam minimamente harmônicos. Aí entra o papo do transporte COLETIVO. Vamos a ele:

Não seria legal que o ônibus que você precisa para ir trabalhar passasse em frente à sua casa, na hora que você desejasse, e o deixasse na porta do seu trabalho, fazendo o caminho mais curto possível? Legal, e talvez fosse até melhor que fosse bem VAZIO, né? Ah, fala a verdade: bom mesmo se fosse só com VOCÊ e o motorista, né? Diagnóstico: você quer mesmo é um carro com chofer, não um ônibus!

Mas suponhamos que você não seja tão feladaputa egoísta assim, e aceite dividir seu dream-bus com os outros moradores da sua rua. Assim, encheria seu ônibus dos sonhos com mais 40 vizinhos, e todos seriam felizes para sempre! Claro, isso seria possível somente se todos os seus colegas fossem para o mesmo destino… Chega de esticar isso! Eu deixo para você, “engenheiro de fretado”: monte uma malha de transporte privado-coletivo ideal para TODOS, nos moldes propostos acima. Quando ficar pronto, manda lá pro Alexandre de Moraes, tá? Ele está até careca de tanto pensar nisso.

É por isso, caro amiguinho do “fretado”, que o transporte COLETIVO é tarefa exclusiva do setor PÚBLICO (governo): porque ele tem de conciliar os interesses de TODAS as pessoas, e promover o mínimo dissabor possível entre TODOS, E AO MESMO TEMPO! Do mesmo modo que eu não posso construir minha casa na praça PÚBLICA, você não pode “inventar” uma linha própria de ônibus, sem perguntar aos outros se eles gostaram da sua invenção. Isso é CIDADANIA, palavrona que neguinho adora falar de boca cheia, mas não sabe bem o que significa.

Então, SAAM”F”*, entenda de uma vez por todas: para um transporte coletivo melhor, não adianta você ver só o seu lado. Quer cobrar o secretário? Manda aquele careca construir mais METRÔ, assim você não se espreme nele (e nem eu, oba!). Passe a exigir benefícios para TODOS, não só para a sua patota. Isso é a sociedade organizada, não esses “feudos sobre rodas” que vocês tanto prezam. Ou, se querem ser mesmo individualistas, assumam a bronca e ponham seus carros no congestionamento! E parem de encher o saco.

*SAAM”F” – sugestão de nome para seu “movimento” – Sociedade Amigos, Amantes e Moradores dos “Fretados”. Não tirem as aspas do “F”, porque fretamento é outra coisa. Pesquisem a respeito.

Anúncios

22 Responses to Fretados: por que Kassab acertou

  1. Marcelo disse:

    É…, realmente o trânsito das cidades está um inferno. Vejo por exemplo aqui em Santos, com a enorme venda de veículos e nenhuma possibilidade de expansão de vias o trânsito não flui. Na época de temporada ou feriados prolongados, fica insustentável qualquer deslocamento pela cidade. Será que não é hora de acabar também com os seus “feudos” particulares, individuais, egoístas e restringir a entrada de veículos de São Paulo na orla da praia e região, obrigando vocês a se utilizarem do nosso transporte coletivo, que, por sinal, é bem superior ao de vcs? Quem sabe assim vocês não param de encher também o nosso saco, congestionar nossas ruas e de poluírem nossa praia. Vai me desculpar amiguinho, mas satanizar transporte coletivo, mesmo que privado é muita ignorância.

    Marcelo: Bem, se você leu todo o post e AINDA acha que eu “satanizei transporte coletivo”, vou fazer o quê, né? Vou ser mais chato ainda e explicar DE NOVO: TRANSPORTE COLETIVO É ATRIBUIÇÃO EXCLUSIVA DO GOVERNO (SETOR PÚBLICO). Não de meia-dúzia, mesmo que “meia-dúzia” sejam 50.000 (tratando-se de uma população de 10 milhões, é meia-dúzia mesmo). Entenda: numa cidade minimamente organizada, NÃO HÁ LUGAR PARA LINHAS PRIVADAS DE ÔNIBUS.

    Aliás, caro santista, para refrescar a sua memória seletiva: Por que ônibus FRETADOS DE VERDADE (pega num único ponto, larga em outro) não podem estacionar na orla da praia da SUA CIDADE? PORQUE O GOVERNO DA CIDADE DE SANTOS NÃO DEIXA, senão vira bagunça. Lembra dos farofeiros dos anos 60/70?

    Abraço e viva a Viação Zefir (o “vermelhinho”).

  2. Valdir disse:

    Vossa sapiência surpreende-me. Detesto concordar com Kassabs e similares, mas é uma medida civilizatória, em defesa da melhoria do transporte em geral e prejudica uma minoria que tem recursos para se virar muito bem de outras maneiras.

    É, Valdir… o difícil é enfiar essas coisas na cabeça do paulistano médio. Abraço e parabéns pelo teu blog.

  3. Valdir disse:

    Eu consegui escrever meu próprio e-mail errado: onde está escrito “vr” leia-se “valdir”.

    Sem “pobrema”, eu já sabia de onde vinha. Tu és da casa.

  4. Lelo Brito disse:

    Cara, independente de quem seja o prefeito, se é MDB ou Arena, se é corintiano ou santista, o cara tá fazendo algumas coisas boas.
    Como publicitário, deveria ficar chateado com a lei cidade limpa, mas nunca vi minha cidade tão boa de se olhar (tá bom, amo minha cidade, confesso).
    Essa história dos fretados e do novo zoneamento de estacionamentos tá melhorando e muito a situação. Ouvi na Band News um cara falando que o percurso que normalmente fazia em 40 minutos para ir à Paulista, ontem ele fez em 10 minutos.
    Faço minhas suas palavras: chega dessa aberração chamada “fretado”.

    Valeu, Lelo.

  5. Mente pequena.. disse:

    Além de tudo é BURRO!

    Bom, esse eu vou deixar passar… É educativo.

    Brilhante argumentação, a sua! Eu escrevo trocentas palavras e você, tão sucinto, resumindo tudo! Quando eu crescer, quero ser como você!

    Se eu soubesse que só você ia ler, poderia ter feito um post assim: “fretado” de cu é rola. Que tal?

    Ah, parabéns, seu nick é perfeito! Sob medida para você. E o email, hein? O domínio (@burro.com) deve estar bombando na teneti huhuuuuuuu!\o/

    • Tiago M disse:

      2. Eh, burro e dos piores. Dos que acreditam realmente que sao bem informados.

      Maldita inclusão digital

      Cara, se você é o mesmo Tiago M ao qual respondi em outro blog, leia lá. Fique por lá, me chame de burro lá. Não me encha o saco.

      Se você não é aquele, digo: você tem o espaço que precisar para escrever o que quiser, dizendo porque eu estou errado, e vem aqui repetir um chavão bobo, batido e inócuo. E o burro sou eu. Se não tem o que falar vindo da sua própria boca, não encha o saco.

      Resumindo: para os dois Tiagos, a mesma resposta: não encha o saco.

  6. humbertoacapellari disse:

    Ô Vini, ainda que eu não tenha me inteirado desse assunto dos fretados, eu meio que discordo de você nuns pontos aqui e acolá. Mas, sabe, hoje eu peguei o metrô no sentido Clínicas ( o que vem da Imigrantes )e adentrei o trêm de número 4, dos 107 que o careca pé-frio tá dizendo que vai comprar. Bem, você me conhece. Acho bem estranho eles desembocarem os SAAMFS nas estações de Metrô, criando receitas para a empresa, e fazendo as pessoas verem que, “puxa, temos trens novos no Metrô!! O Serra que pôs!”.
    Aliás, eu fiquei meio curvado no vagão. Tem mais uma coisa: ele não vai colocar mais busão, já tem e estão nas garagens. Não há fiscalização. De resto, eu adoro ver as pessoas que só cuidam dos seus ( e são, em sua maioria, eleitores de Kassab, Serra, Malufão e se dirigem para a Berrini ) tomrem na cabeça. Aí realmente você acertou. E o outro careca, o Alexandre de Moraes que desejou jogar os “6 milhões de passageiros de ônibus” contra os fretados, isso não foi honesto, já que estes 6 milhões se ferram com esse serviço de ônibus. Minha contribuição para “melhorar o trânsito na Capital”: a volta da CMTC, o fim das lotações e a redução brutal da bandirada dos taxis. E mais poder para a CET!

    Capellari, pense no lado bom das coisas (sempre há): esses SAAM”F”, se não forem tirar seus bólidos das garagens (o que é provável que deva acontecer), teriam agora de se mobilizar para melhorar o transporte PÚBLICO (ônibus, metrô, etc.), porque, a partir de ontem, eles são tão usuários quanto você e eu.
    E não tire da mente uma coisa: esses caras, em 100%, eram contra o transporte clandestino “dipobre”, das vans e kombis do tempo do Pitta. Só agora pode o “dirico”? Transporte público é PÚBLICO, gerenciado pelo governo. Senão vira zona, de novo. Não pode dar boiada pra neguinho fazer linha própria de ônibus! Se você é a favor da CMTC, deveria ser contra os “fretados”, pois eles são uma forma de “privatização pulverizada”.
    Transporte, direito do cidadão, DEVER DO ESTADO.” Só do ESTADO. Se ele não faz a parte dele, que se cobre o Estado, não que se burle o seu poder. Isso é um tipo de desobediência civil covarde, típica do paulistano médio. O “jeitinho” que eu sei que você tanto abomina.

    • Vinicius Duarte disse:

      Ah, um ponto que eu esqueci, sobre uma “suposta” (hehehe…) propaganda pelo derrame de SAAM”F” no metrô e os trenzinhos novos do Serra. Eu escrevi no post anterior: o transporte público precisa ser integrado; os “fretados” foram criados ao arrepio do poder público; o prefeito, para não eliminar de vez a aberração, tratou de integrá-la ao já existente (e legalizado). Acertou de novo o Chucky, se bem que o melhor a ser feito deveria ser abolir tudo. Mas aí, velho, precisa ser muito macho. E “macheza” não é lá o forte dele.

      O fluxo que você viu na linha verde é por causa do grande número de busões “fretados” oriundos da Baixada Santista, que realmente trazem muita gente a SP.

      Sei do seu ódio mortal ao PSDB, mas se eles estão comprando trenzinhos novos e bacanas, melhor para todos nós! É propaganda? FOOOOOODA-SE, eu sei como anda a tal EXPANSÃO SP, e não vai ser um vagãozinho cheiroso que vai me enganar. E, de mais a mais, esses SAAM”F” já são eleitores tucanos desde tempos imemoriais.

      Nem tudo que reluz é ouro, e nem tudo que o PSDB/DEM faz é bosta. Eu, pelo menos, penso assim.

  7. Marcelo disse:

    Marcelo, tá meio longo, e vai ficar mais ainda, hehe… meus comentários vão no meio do seu, ok? Obrigado e um abraço

    Caro amigo: a fim de honrar a memória de José Bonifácio de Andrada e Silva e de tantos outros santistas que deixaram um legado inegável de liberdade, fazendo com que santistas figurassem em quase todas as lutas e conflitos destes pais, desde a luta pela abolição da escravatura, possibilitando a criação de vários refúgios, quilombos, para o povo negro/índio, cansados da escravidão, inclusive a infligida pelo povo de sua cidade (a cidade de Santos foi uma das primeiras cidades do Brasil a libertar os seus escravos), passando pela resistência a ditadura, a luta pela democracia, chegando aos dias atuais, quero dizer, repito, em honra esta memória, que os paulistanos sempre serão bem-vindos em Santos. As minhas palavras anteriores foram grafadas apenas com o ar de provocação, para mostrar que um erro não justifica o outro.

    Eu sei disso, entendi sua provocação e a aceitei, fazendo o contraponto necessário com os “farofeiros”. Discordo que sejam dois “erros”: são dois acertos.

    Por isso, agora seriamente, consigno os motivos pelos quais considero esta medida totalmente equivocada, pelo menos por hora e que satanizar os fretados é uma estratégia irracional da prefeitura.

    Por favor, não me trate como o “Satã” dos fretados. Sou contra os “fretados”, não contra os VERDADEIROS fretados (1 ponto na ida, 1 ponto na volta), como existem em muitas empresas aqui em SP, e que não sofreram qualquer medida restritiva na sua operação. Isso que você chama de “fretado”, nada mais é do que transporte CLANDESTINO, visto que não está sujeito a NENHUMA lei municipal.

    1 – media de curto prazo para melhorar o trânsito de São Paulo.
    Você sabia que quase 45% dos veículos da cidade de São Paulo não pagam multas, seguro obrigatório e, principalmente IPVA? Isto sem contar os famosos “dublês”.

    Sim, sabia. E…

    Por que a PMSP em conjunto com a Receita Estadual e PM simplesmente não empregam a lei? Tal fato retiraria quase a metade dos veículos das ruas, evitaria muitos acidentes pois retiraria veículos sem nenhuma condição de rodagem e acabaria com esta vergonhosa elisão fiscal, dando um duro golpe nesta sociedade hipócrita que deseja ter, ter, ter, as coisas, mas não quer possuir o mínimo de responsabilidade sobre elas. Mas bater nesta tecla não dá voto não é?

    Como dizia o poeta: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Não estou discutindo sobre como acabar com congestionamento, e sim (aí é que pega) que transporte coletivo é obrigação do Estado. Se ele não cumpre, cabe aos cidadãos cobrarem, e não montarem esquemas para fugir do caos.

    2 – Ainda tem mais porque a medida não foi acertada. E aí podemos dividir em mais dois quesitos: o administrativo/operacional e o legal.

    Administrativo/Operacional
    Para dar ensejo a esta medida, o prefeito e seu secretário deveriam esperar a conclusão das novas linhas/estações do metro. Ter incrementado o sistema de ônibus, criando, a exemplo de outros países, mais corredores de ônibus, de melhor qualidade, rastreados por GPS, onde, nos principais pontos, o usuário poderia verificar a sua localização e o tempo de espera.

    Isso, Marcelo… Como tudo por aqui, né? Não tem casa pra todos, libera a favela; não tem ônibus pra todos, libera o clandestino; seguindo nessa toada, chegaremos ao “não tem saúde pra todos, libera o curandeiro”.

    Quando vou a São Paulo, deixo meu carro num estacionamento no Jabaquara e me desloco pela cidade de metro. Certa vez, precisei pegar um “ônibus” na zona leste que nem em pé dentro dele eu conseguia ficar, pois tinha um “pé-direito” tão ridículo, que obrigava seus usuários ficarem curvados. É isso que substitui o fretado?

    É irracional retirar um transporte coletivo, mesmo que privado, quando não há outro que o substitua com a mesma qualidade.

    Você sabe que o atual secretário de transportes acumula várias presidências? Ele é Secretário de Transportes, Presidente da CET, Presidente do SPTrans e sei lá mais o que, e que ele tomou esta medida politicamente, sem consultar os engenheiros de trânsito da CET? Na última da hora é que eles tiveram que planejar toda a parte de informática e operacional. Se vc conhece alguém da CET com alguma intimidade, pergunte para ele como foi a organização disso. Pergunte, você vai ver que, para uma medida deste porte, não houve tempo para quase nenhum planejamento. O resultado foi a bagunça que vc deve ter visto. O estudo feito foi o eleitoral, não o técnico.

    Geralmente, quando se toma medidas drásticas para acabar com a bagunça, num primeiro momento mais bagunça se cria. Depois as coisas vão se acomodando. Quanto a aspectos políticos da medida, reconheço que deve ter sido tudo “na louca”. Aliás, o prefeito Kassab é mestre nisso! Ele vai com a motoniveladora derrubando tudo (cidade limpa, rodízio de caminhão, ZRMC…). É o jeito DEM de governar (César Maia, Kassab, etc.). Eles não curtem muito conversar com a população. Paciência, e aí eu não posso ajudar (não votei nele).

    Os políticos estão acostumados a lidar com a população como gado, isto é fato, vc já deve ter, em algum momento da sua vida, presenciado a Sé e algumas linhas de ônibus na hora do rush. Aquilo é desumano. E eles, os políticos, fazem isso com as classes menos favorecidas a toda hora e a todo momento. Só que eles não esperavam que aplicando estas mesmas humilhações a classe média, esta não reagisse. Espero que isso que aconteceu sirva de lição para a classe média, pois como disse Brecht,
    Primeiro levaram os negros
    Mas não me importei com isso
    Eu não era negro
    Em seguida levaram alguns operários
    Mas não me importei com isso
    Eu também não era operário
    Depois prenderam os miseráveis
    Mas não me importei com isso
    Porque eu não sou miserável
    Depois agarraram uns desempregados
    Mas como tenho meu emprego
    Também não me importei
    Agora estão me levando
    Mas já é tarde.
    Como eu não me importei com ninguém
    Ninguém se importa comigo.

    Concordo em 100% contigo nessa parte. Mas isso só muda com a organização VERDADEIRA de TODA a sociedade, exigindo melhorias para todos! Você já viu alguma passeata ou bloqueio na Marginal pedindo METRÔ pro carequinha?

    Quanto a questão jurídica, apesar do ilustre secretário de transportes ser professor de direito (segundo relatos que ouvi arrogante de dar dó), concordo com o parecer abaixo de que não há suporte legal para tal media.

    Abraços!
    outros!

    Restrição a fretados na contramão da Constituição
    Os “vários estudos” mencionados pela Prefeitura permanecem desconhecidos e são questionados pelos estudiosos do assunto.

    25/07/2009 – Daniel Lacsko Trindade e Juliana Vieira dos Santos *

    Os ônibus fretados serão proibidos de circular em quase 70 km2 da cidade de São Paulo – zona quase tão grande quanto o centro expandido – a partir do próximo dia 27, com o objetivo declarado pelo Executivo de “melhorar a fluidez do trânsito nos principais corredores da cidade”.

    E com isso a Prefeitura vai conseguir jogar os quase 45 mil usuários dos fretados no já saturado sistema público de transporte da cidade (o aumento da frota prometido pela PMSP para evitar o impacto da regulamentação por vir não é significativo) ou aumentar o número de veículos individuais circulando, piorando em muito o caótico trânsito paulistano.

    A Prefeitura (leia-se, as concessionárias dos serviços de transporte) ganha na primeira situação, pelo aumento da arrecadação; mas a cidadania perde em qualquer das duas hipóteses.

    Essa tese do “aumento da arrecadação” é bastante discutível, ainda mais que não beneficia diretamente a PMSP. Aliás, quanto mais gente anda de transporte coletivo em SP, MENOS ela arrecada, pois o transporte público é subsidiado.

    Essa medida, mais uma rasteira na classe média deste país, baseia-se supostamente na nova Política de Mudança do Clima no Município de São Paulo. Porém, descumpre vários princípios constitucionais da Administração Pública, entre eles, legalidade, desvio de finalidade, publicidade e eficiência.

    Bem, quando a rasteira é sobre o pobre, OBRIGADO por não ter carro a se espremer no transporte, ninguém arroga “preceitos constitucionais da Adm. Pública”…É foda.

    Muito embora a Prefeitura já anuncie a medida há meses, aguarda-se sua publicação no Diário Oficial. Apesar dessa ausência de norma, a restrição já tem data de início e a Prefeitura começou a colocação das placas de trânsito que alertam para o perímetro da Zona Máxima de Restrição aos Fretados, talvez determinada em algum ato secreto. O princípio da publicidade, lembre-se, é uma garantia do cidadão para defender-se da arbitrariedade do Estado.

    A respeito, a Lei Complementar nº. 95/98, estabelecendo normas para a elaboração das leis, prescreve que a cláusula “entra em vigor na data de sua publicação” deve ser reservada apenas para as leis de pequena repercussão, devendo as demais contemplarem prazo razoável para que a sociedade dela tenha amplo conhecimento.

    Mas a publicidade dos atos administrativos realmente parece não estar em alta no país. E, na cidade de São Paulo, a discussão pública sobre as melhorias para a cidade também padecem do mesmo mal. Os “vários estudos” mencionados pela Prefeitura permanecem desconhecidos e são questionados pelos estudiosos do assunto.

    De toda forma, do ponto de vista jurídico, ainda que a portaria venha a ser finalmente publicada, ela não atenderá ao princípio da legalidade, pois a restrição aos quase 1.000 ônibus fretados que circulam em São Paulo depende de expressa previsão legal, na medida em que coíbe e limita o exercício dos direitos individuais. Repita-se: é apenas mediante lei que o Estado pode condicionar ou limitar o exercício das liberdades individuais dos cidadãos. Um simples ato do executivo municipal não suprirá essa exigência prevista na Constituição Federal.

    Além disso, a medida segue na contramão do que está previsto na própria legislação municipal. A Lei nº. 13.241/01, que dispõe sobre a organização dos Serviços do Sistema de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros na Cidade de São Paulo, determina que o Poder Público observará, entre outras diretrizes, a “prioridade do transporte coletivo sobre o individual”, em perfeita harmonia com a tendência mundial das grandes cidades e com as diretrizes da Agenda 21 e do UN-HABITAT (Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos).

    A própria Lei Municipal nº. 14.933/09, que institui Política de Mudança do Clima, em seu artigo 3º, inciso VI, prevê a “priorização da circulação do transporte coletivo sobre transporte individual na ordenação do sistema viário”. Já o artigo 6°, especificamente sobre os fretados, prevê a regulamentação para sua circulação, parada e estacionamento, mas com a finalidade de incentivar a utilização desse transporte coletivo em detrimento ao transporte individual.

    A medida, da forma como está sendo anunciada pela Prefeitura é tão restritiva que não pode ser entendida como “regulamentação”.

    E a restrição anunciada cria embaraço para o transporte público intermunicipal (já que a grande maioria desses ônibus fretados prestam serviços de transportar pessoas de um município a outro), que deve ser planejado e executado pelo Estado, nos termos do artigo 158 da Constituição Estadual e § 3º do artigo 25 da Constituição Federal.

    Em atenção a essas questões metropolitanas, a Lei Orgânica do Município de São Paulo estabelece em seu artigo 174, que o sistema local de transporte deverá respeitar “as interdependências com outros Municípios, o Estado e a União”.

    O governador José Serra, sobre os problemas metropolitanos, já declarou que eles “existem e debatê-los representa, pelo menos, um passo inicial para se começar a resolvê-los”.

    A Prefeitura de São Paula precisa entender que transporte coletivo não é apenas o público ou o municipal, e que são muitos os agentes que têm a contribuir para a melhoria da cidade e ouvi-los pode gerar medidas mais legítimas e mais significativas para o trânsito do que a restrição paliativa e ilegal da circulação dos fretados na cidade.

    Sou legalista por princípio. Se o decreto municipal estiver ilegal, que se entre com as medidas judiciais cabíveis. O bravo judiciário está aí para isso.

    * Daniel Lacsko Trindade é advogado do Rubens Naves, Santos Jr, Hesketh – Escritórios Associados de Advocacia – rec@rnaves.com.br

    ** Juliana Vieira dos Santos é mestre em Direito pela Universidade de Harvard , doutoranda na área de Teoria do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo e advogada do Rubens Naves, Santos Jr, Hesketh – Escritórios Associados de Advocacia – rec@rnaves.com.br

    Agradeço a contribuição, Marcelo.

  8. Marcelo disse:

    Mais uma observação que esqueci. Você sabia que a verba de campanha do Sr. Kassab teve 95% dela doada de forma oculta, realizada através de uma manobra legal porém, no meu entender imoral que é a transferência de recursos para o partido e não para o candidato? Foram quase 30 milhões de reais que não sabemos a sua procedência. A pergunta que fica é: a serviço de quem o Sr. Kassab está?

    De qualquer forma esta questão (fretados) já está na justiça. Espero que ela aponte o caminho correto.

    Ah, meu caro, isso eu sei de LOOOOONGA data! A portuguesada do TC em SP, inclusive, contratou um primo do Kassab (irmão? tio? namorado? Humberto, me socorre!) para ser “Conselheiro” deles. Mas veja, todo o meu post não faz qualquer juízo político da questão. Se eu for entrar por aí, melhor fechar a prefeitura.

    • Humberto Capellari disse:

      Taí, Vinícius. Essa aqui eu descolei no site do PCO [ data de 2007 ], que eu estava com preguiça de procurar no meu “arquivo” [ ahahaha ]:

      ” […] Nas gestões Pitta e Maluf, a família Kassab aumentou em três vezes a sua renda ocupando a Secretaria dos Transportes. Os irmãos do atual prefeito, Marcos Kassab e Pedro Kassab ocupam até hoje, como herança daquelas gestões, a administração do Metrô e empresas de contabilidade das viações de ônibus na cidade, que definem os estudos para aumentar as passagens[…]”.

      Aeeee, você nunca me deixa na mão, cara!!!

  9. Lelo Brito disse:

    Pô, Vinícius!
    ‘Cê viu essa:

    http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/2009/07/28/ult4469u44235.jhtm

    Abs.

    PQP! Isso se chama, no popular, PEIDOU. Caralho, pôr ficha nesses caras é apostar em cavalo paraguaio! Quer saber, Lelo? Foda-se. Eu trabalho em casa, uso transporte coletivo raramente… Vou fazer igual a eles, afinal, eles são “maioria”.

    SP, “Cansei” de você.

  10. Anísio FC disse:

    Trampo próximo da Paulista e Brigadeiro e não tenho dúvidas que os caras dos fretados são folgados! As últimas manifestações mostram que os transportadores fretados estão contaminando os transportados fretados!!!
    A merda é que o transporte público paulistano é muito ruim e fazer desse jeito que foi feito parece coisa de Max Mosley querendo resolver os problemas da F1 de cima pra baixo…
    Gosto da gestão Kassab mesmo duvidando que vá votar nele alguma vez na vida, mas eu gostaria de saber o que há com os moradores de rua de Sampa, Desde a interminável gestão do Serra – ainda bem que ele não levou a promessa de ficar até o fim a sério -, os caras estão espalhados pela região central da cidade, era incrível o que havia de morador de rua onde ficava a passarela do Anhangabaú, coincidentemente bem embaixo da sede da prefeitura de São Paulo, não sei se ainda estão por lá, mas certamente estão nas travessas da Paulista/Brigadeiro e na Praça da Sé!
    O que há? Destruíram os albergues???

    Anísio FC, outro dia estava na Pça. da República, e um cara veio me pedir dinheiro para tomar o metrô e ir “pegar uma sopa” num albergue de igreja. Fui com ele até a catraca para passar o bilhete único, e fui conversando a respeito disso (albergues). Ele me disse que as vagas diminuíram muito, e a PMSP tá fazendo tipo “motel”, alta rotatividade. Dorme uma noite e cai fora, não podendo voltar para aquele mesmo albergue no dia seguinte. E aquele projeto de “aluguel social” parece que foi para o saco, também. Acho o Kassab um cara do bem, mas ele anda muito mal acompanhado. Por isso não votei e não votaria nele. Aliás, o dia em que eu cogitar voto em alguém do DEM/PSDB, vou buscar tratamento.

  11. elciok disse:

    Eu concordo com vc q fretado é uma aberração, mas é uma aberração q surgiu do fato do transporte público ser uma bosta. E piorou muito (na minha experiência) nos últimos 2 ou 3 anos.
    Tirar os fretados seria uma opção inteligente se o senhor prefeito melhorasse muito o transporte público. E o governador tb. Pra mim o fretado é um paleativo q de certa forma ajuda um pouco a tirar alguns carros de circulação (que ocupariam mais espaço q um ônibus). Tirar o paleativo sem consertar o q está ruim para mim é gestão burra.

    Só de você concordar que “fretado” é aberração, elciok, eu já fico contente. Eu nem queria mais voltar nesse assunto, mas vá lá: o cerne deste post (e do outro também) é que SP (seus moradores) não são mobilizados para as grandes questões da cidade: transporte é uma delas. Em vez de cobrar as autoridades, fazem “gambiarras particulares” para resolver o seu problema pessoal. Veja só: os “fretados” atendem uma população estimada em 40.000 pessoas. Isto corresponde a 0,4% dos habitantes. E olha o carnaval que sai! O metrô atende 3.000.000 de passageiros por dia, E NINGUÉM fez passeata pra porra nenhuma, o metrô continua com os 50 km dele (51, 52, 53… – isto em DEZESSEIS ANOS do MESMO governo!!!) Isto é: o cara não faz nada, a gente REELEGE! E depois quer fingir que não é conosco, compra um carro ou “freta” ônibus. Pensa uma coisa, elciok: se TODO mundo for fazer “fretamento” de ônibus (se você pode, eu posso, certo?), CUMÉQUIFICA???? 40.000 são mil ônibus; 400.000 são DEZ MIL ÔNIBUS… Vai multiplicando!

    Se tua casa é bonita, é porque VOCÊ cuidou dela. Se é feia, é porque você RELAXOU com ela.

    SP é a nossa casa. Se o transporte é uma bosta (e É), é porque NÓS nunca cobramos nada do governo que elegemos, desde SEMPRE! Preferimos fazer nossas “gambiarras”(carro, “fretado”, clandestino…). Por isso nasce favela, governo rouba, faz obra inútil… Abraço

  12. […] todos que passaram pelo blog e deixaram comentários aqui e/ou aqui – todos devidamente “replicados” pelo escriturário de plantão -, veio muita […]

  13. “É por isso, caro amiguinho do “fretado”, que o transporte COLETIVO é tarefa exclusiva do setor PÚBLICO (governo): porque ele tem de conciliar os interesses de TODAS as pessoas”

    Falou tudo cara… Só se esqueceu que esse governo só pensa nos interesses dos motoristas de carros particulares e não de toda a população.

    Quando temos um estado numa ponta, querendo colocar todo mundo dentro dos carros a força, para que as montadoras encham o rabo de dinheiro e poder justificar obras bilionárias, o povo tem que se virar brother, é aí que você não entende.

    Também no seu mundo perfeito, sou contra os fretados, aliás eles só existem porque o transporte público é péssimo e se por causa da proibição dos fretados tem muita gente brigando, cobrando transporte público decente, que ótimo! Situações como essa fazem o pessoal se colocar no lugar daquele cara que foi expulso da sua casa no Jardim Edith, depois de 40 anos, só porque a especulação imobiliária acho interessante construir um prédio milionário lá. Ainda mais se pra isso é necessário apenas pagar um cheque despejo de 5 paus.

    Estou com você, sou contra os fretados também, mas hoje prefiro eles do que mais milhares de carros nas ruas.

    André, quanto mais você comenta aqui, mais eu vejo que estamos do mesmo lado, hehehe.
    Meu mundo não é perfeito. Quem acha que vai conseguir o mundo perfeito na porrada é Kassab. Mas isso é o “modus operandi” dele. E todos os paulistanos deveriam saber disso (operação cidade limpa, por exemplo). E, incrível, o maior cabo eleitoral dele (fora o bonecão) foram essas “ações moralizadoras”!! Agora, nos próximos anos, vai ser tudo assim. Paciência.
    Prefiro um busão a 30 carros, também. Um busão controlado pelo Estado, não no “cada um por si”. Aí não dá certo, e teremos 250.000 “fretados” para atender a população paulistana. Fica zoado, não? Abraço.

  14. Ricardo Martins disse:

    Impressionante como tem gente que ainda tem as manhas de escrever uma coisa dessas!
    Você deve concordar que é mais fácil proibir e generalizar todo mundo do que ter competência pra fiscalizar e regulamentar um meio de transporte que existe antes mesmo de você nascer.
    Sem noção!

    Impressionante como tem gente que não tem nada a acrescentar e abre a caixa de comentários para não dizer nada. E com email falso.
    Não, não concordo. Mesmo porque o que você escreveu não faz o menor sentido. Tchau. Está marcado como troll.

  15. Paulo Lopes disse:

    Oi Vinicius.. acabei de conhecer seu blog.. muito inteligente suas colocações.
    Gostaria apenas de comentar sobre os posicionamentos da maioria das pessoas..

    A coisa é do tipo: “FRETADO – AMOR OU ÓDIO”

    Tenho observado qua as pessoas tomam posições radicais e extremistas. Uns A-D-O-R-A-M outros ABOMINAM os fretados.

    Tenho plena convição que com o uso de uns “trocentos” neurônios e uma boa dose de boa vontade das partes, seria possível conciliar os interesses e atender aos anseios de quase todos.

    Sou à favor dos fretados, mas SOU CONTRA A BADERNA.. acho que motorista de fretado é folgado SIM e atrapalha o trânsito usando 3 faixas de qualquer avenida e parando em qualquer lugar.

    Mas acho principalmente que as medidas adotadas pela prefeitura foram radicais demais.
    Tome como exemplo o caso da Berrini. A prefeitura cedeu e instalou 6 pontos na avenida (ao invés dos 20 ou 30 “pontos informais” que haviam antes). Melhorou ?? PUTZGRILA.. ficou muito bom. Os passageiros são atendidos e o trânsito não foi comprometido.

    Acredito, sinceramente, que esse deveria ser o “norte” das negociações e regulamentações do sistema de fretados.

    Abraços e parabéns pelo blog

    É isso aí, Paulo. Acho que o Kassab usou um contra-veneno: se os caras querem fazer do jeito deles (cada um por si), vou fazer do meu jeito (na porrada). E, na verdade, nenhum dos dois era solução. Obrigado pelos elogios. Como diz o saquinho da padaria, “servimos bem para servir sempre”, hehehe. Seja bem vindo.

    • Paulo Lopes disse:

      Valeu Vinicius..

      Hoje estive na câmara acompanhando os “trabalhos” que culminaram com a aprovação “em 1a apreciação” do projeto da prefeitura. Ainda deverá ser discutido e só após isso irá para a segunda e definitia votação.

      Se tivesse uma corda pendurada no teto, poderia chamar de CIRCO..

      Vereador jurando “de pé junto” que era apoiador incondicional dos fretados.. mas na hora de votar.. fez cara de paisagem.. não se manifestou e permitiu a aprovação do projeto.

      Lamentável…

      Abraços

      Paulo, eu já passei por um circo parecido lá na câmara, com um outro projeto, no tempo da Marta. É foda, os caras saem do plenário falando pra cacete com o povo, e quando entram, fazem tudo ao contrário… Mas eu não sabia que tinha projeto, eu pensei que era só um decreto municipal. E, se tem, pode esquecer, porque vai ser aprovado. A oposição ao kassab tá muito fraquinha. Abraço

  16. Rodrigo disse:

    Perfeitas colocações!!!!!!!!
    Sem palavras.

  17. max roberto hattenberger disse:

    o kara confundiu serviço privado , com serviço publico, favela cpm moradia , daqui a pouco ele vai falar q todo mindo tem direito a saude e advogado gratis , tenho certeza q ele vai trabalhar de carro

  18. max roberto hattenberger disse:

    os serviços privados são criados de acordo com a procura , assim são taxis , hospitais particulares, advogados , clinicas de recuperação de drogados, alguns não querem esperar ajuda do governo e tem condiçoes de pagar por isso, como ignorar um segmento q só cresce,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: