A tag da moda não é a realmente necessária

Li no blog do Lelo Brito um post, fui comentar e, quando percebi, tava ficando tão grande o comentário que parei para não ser mais inconveniente. Voltei para esta casa, continuo aqui.

Os que enchem o twitter com tags #forasarney, replicando declarações bombásticas de Arthur Virgílio, Pedro Simon, Heráclito Fortes ou Aloísio Mercadante, dividem-se, basicamente, em dois grupos: o dos que acham que estão participando de um “movimento cívico”, e eu os perdôo pela ingenuidade e “inocência inútil”; e o dos mal-intencionados, que têm, sim, outro projeto de poder, foram defenestrados democraticamente, através do voto, e querem voltar na marra, por saberem que não oferecem a quem decide agora (POVO) alternativa que a ele satisfaça. É esse o veredicto dos “de sempre”: o povo errou, o povo não pode estar satisfeito com o governo, vamos “abrir os olhos desse povo ignaro que apóia o apedeuta Lula”.

A democracia brasileira corre grande perigo com essas “crises” institucionais que desaguam no nada absoluto. Quem, em sã consciência, pode aplaudir o Arthur Virgílio subindo na tribuna do senado para achincalhar Sarney? Sarney é um sujeito “achincalhável” desde 1966, e mesmo assim chegou a Presidência da República Federativa do Brasil em 1985, apoiado pela turma do Virgílio! Quer me dizer que ele ficou “investigando” o Sarney durante 24 anos, para “descobrir” que ele é mau, bobo, feio e chato corrupto e indecoroso? Sem contar que o Ribamar foi ELEITO (pelo mesmo Virgílio) presidente do Senado há bem pouco tempo! Quando foi que os atiradores de elite do Senado descobriram a verdadeira face do “himenóptero inflamável maranhense”? Agora? Ato secreto? Os “atos” eram “secretos” pra mim ou pra você, nego! Todos eles sabiam de tudo, o tempo todo. E todos foram, de uma forma ou de outra, pouco ou muito, beneficiados por esses “atos”. Quando o Agaciel Maia foi pego, tenho certeza absoluta que as desfragmentadoras de papel do Senado trabalharam como nunca, HDs foram formatados a granel nos gabinetes, gerentes de banco receberam ligações ameaçadoras…

Em 1992, Fernando Collor de Mello renunciou, sob a ameaça de impeachment proposto por vários desses senadores que estão aí. Em 2009, eleito pelo povo de Alagoas, volta a Casa Legislativa, pega o microfone e DESANCA FRAGOROSAMENTE um dos líderes do movimento para derrubá-lo em 8992. E o desancado peida “amarela” feio. É ameaçado por alguém que ele, Simon, há 17 anos atrás, considerava merecedor de cadeia, e fica pianinho. “Eu conheço bem esses movimentos, Senador parlapatão Simon!“.  FCM conhece melhor do que todos eles, mesmo. Na “cadeira elétrica parlamentar” em que tentam amarrar Sarney, hoje, ele já se sentou. E a voltagem aplicada sobre ele foi muito superior à que aplicam ao Ribamar. Lá foi “torrado”, mas voltou. E voltou sabendo como as coisas funcionam, disposto a tudo para se vingar dos algozes. É a velha história: se atirar, atira pra matar, senão…

Isso tem de parar. Não porque eu queira ver Sarney bem na foto. A bem da verdade, eu nunca quis – mas e você, #forasarney, não era “fiscal” dele em 1986, insuflado pelo Jornal Nacional que HOJE demoniza o Riba? Não ficava ligando pra SUNAB, como um imbecil, para denunciar “ágio” num congelamento de preços absurdo que desorganizou toda a economia, gerando um dos maiores episódios de desabastecimento já vistos desde a 2ª guerra? Você não achou “uma boa” dar 5 anos pra ele?

Isso tem de parar porque a vontade popular demonstrada nas urnas pode ser vilipendiada com esses “joguinhos de acusar”. Assim: você cria uma crise institucional, que justificaria derrubar na marra todo mundo. Quem comanda isso tudo? O Fortes? O Virgílio? O Twitter? Naaada! São grupos empresariais e de comunicação com interesses particulares contrariados. Quer ver?

Amigo, monta aí um jornal. Transforme-o no “maior jornal do Brasil”. Qual é o legado de um jornal, o que garante a sua longevidade? A garantia que você, leitor, tem de não estar lendo um monte de besteira e pagando por isso, não? Pois é, o “maior jornal do Brasilofereceu a José Sarney o espaço mais nobre de que dispunha durante séculos, retirando-lhe o espaço somente agora, pela bagunça formada. E nem um pio deu sobre isso. Pior, ainda teve a desfaçatez de engrossar o “coro dos indignados com Sarney”!!! Isso, a FOLHA DE SP não conhecia seu articulista da página 2!!! Então, tá. Tô indo lá na banca comprar a “Folha”, pra ficar bem informado e poder ser “formador de opinião”, igual o Marcos Mion, o Júnior da Sandy e o Vesgo do Pânico.

Os deputados e senadores são apenas “funcionários” deles, e só estão lá porque eles deixaram. Você votou neles, mas a “mando invisível” deles. Veja o exemplo do Collor. Ele voltou porque deixaram de falar mal dele, só isso! E veja a loucura: dos 81 senadores, talvez ELLE seja o único onde a “vontade das urnas” esteja puramente representada, muito ao contrário de quando ele foi eleito presidente, com a inefável “ajuda” de Roberto Marinho e Victor Civita – que, pouco tempo depois, trataram de derrubá-lo por não ser “bem aquillo” que esperavam do meninão.

A “tag” da vez, verdadeiramente cívica, seria #foragolpistas. Tentem realmente ser uma alternativa ao poder estabelecido, proponham algo melhor que o atualmente executado e CONVENÇAM O POVO DISSO. Sendo simples assim, vocês ganham no campo. Sem essa de ganhar “no tapetão”, com gol impedido de jogador expulso que não quis sair de campo. Isso precisa acabar, de uma vez por todas.

Anúncios

8 Responses to A tag da moda não é a realmente necessária

  1. Thiago Ferreira disse:

    Depois de seu post Vinicius, estou cada vez mais convicto do lançamento da chapa: “DILLMA Pres. COLLOR Vice”.
    Que coisa, samba do crioulo doido??? aahahaha

    Até é um samba do crioulo doido, Thiago, mas não é de minha autoria. E eu procurei aqui cantá-lo como eu o ouço, não de acordo com certas, digamos, “releituras”, feitas por “artistas” pouco renomados. Abraço.

    • Thiago Ferreira disse:

      Tenho saudade dos “artistas” renomados tambem Vinicius.
      Estao em “recesso parrrrlamentarrrrr”.
      Parece que so tinham inspiraçao para compor musicas do lado esquerdo da pauta. ehehehe
      Poderiam fazer uma musiquinha pelo menos, no estilo anos 60.
      !Eu te amo Meu Brasil, Eu te amo!, ninguem segura a juventude do Brasil.!
      Sera que o Chico conseguiria compor alguma coisa inteligente, retratando o atual momento, tipo…Vai passar???? ahahaha
      Tempos bons aqueles!
      Quando Collor eleito, foi passear nas Ilhas Seychelles para comemorar, com as sobras de campanha, tudo com dois ELES: CoLLor SeicheLLes.
      A gente era feliz e nao sabia. ahahahahaha
      Como vc. disse, eh foda nego.

      Pois é, mas “Elle” não tomou o poder na marra. Ganhou no voto. Aliás, tem 3 coisas muito difíceis de se ver por aqui: cabeça de bacalhau, enterro de anão e eleitor do Collor em 1989. Quando falo daquela eleição, só encontro gente que anulou ou votou no Lula. Acho que aquela eleição foi fraudada… Ah, e estreei no twitter com essa: 100% dos que escrevem “LuLLa” são eleitores ou filhos de eleitores do CoLLor em 1989.

      • Thiago Ferreira disse:

        Pera ai Vinicius? Vc. eh CoLLorido mesmo ou ta zoando pra obter feedback?
        Se for, estou me despedindo de seu blog, que achei massa…..a principio.
        Nao tomou o poder na marra? o que eh isso cara? Vc citou e nao considerou a ajuda “inefavel” usurpaçao?
        To fora!

        Caraca, velho… Se depois de tudo que eu escrevi, você chegou à conclusão de que eu sou COLLORIDO… Não sei mais o que dizer e não vou poder te esclarecer melhor. Acabou o estoque.
        Agora, quanto à “inefável” ajuda, cabe lembrar que, antes do FCM, não havia um presidente eleito pelo povo, lembra disso? Por isso (por ele ter sido o primeiro), evidentemente que não ganhou o poder “na marra”, porque o poder popular estava, por assim dizer, vago. Muito diferente da situação atual, onde os “ajudadores” querem convencer a todos, com manipulação tosca, que o Sarney existir é culpa do Lula, e que o Virgílio é “o salvador da pátria”.
        PS.: agradeço, de coração, a todos que aqui comparecem, mas não sou “forçador de feedback”, mesmo porque não ganho porra nenhuma com esse blog, a não ser a alegria de escrever publicamente o que eu bem entendo (até que me tirem do ar, claro). Aqui não entra nem AdSense! Abraço, Thiago!

  2. Ademir disse:

    É impressionante! Tudo no Brasil tem que ser no tapetão! E mesmo assim, seletivo! Descobriram agora (agora!!!), que o Sarney é um picareta? Por favor!
    Sério, destesto Sarney, mas ver rabos presissimos como Arthur Virgilio abrindo a boca pra falar em ética é algo asqueroso.

    Ahhh, na boa! Irrita muito acompanhar a politica nesses anos Lula, e sim, o PT tem um pouco de culpa no cartório, aquele Udenismo dos anos 80 e 90 estão sendo atirados de volta na cara por gente que fala “ah mais vcs não eram o partido da ética?”.

    É isso que dá reduzir a politica a moral, ela é essencial? Sim, mas reduzir tudo a isto é ridiculo e infantil. Desde a redemocratização, pode reparar, a midia não discute um projeto politico que seja, é só escandalos e maquinações politicas.

    Grande Ademir! É exatamente isto que vem segurando o Brasil desde tempos imemoriais. E o povo acostumou tanto que (dálhemetáfora!) está afogado no Tietê e acha que vai se salvar segurando o primeiro troço de bosta que passa boiando. É foda, nego!

  3. Stella disse:

    Fico até com pena dos inocentes (in)úteis (segundo o Miguel do Rosário, bebedores de Toddynho) que vêm aqui bater em …. ops… debater com você. É cada rabo de arraia que levam, que provavelmente ficam procurando o rumo por uma semana. E que rabo de arraia! Que categoria! Teu blog é muuitooo bom! De verdade! Cara, como você foi se meter em contabilidade (??) (e hollerits kkkk) e não em jornalismo? Talento desperdiçado (e integridade também)! Comprei a idéia – #foragolpistas – vou twittar agorinha e com link pra cá!! Bj

    Você é uma baita duma querida, Stella. Jornalismo, aqui? Só se VOCÊ abrir um jornal e me convidar, hehehe. Não “mimisturo” com “certas gentes”.

  4. Stella disse:

    Ei Vini, me enrolei com o trabalho e o terceiro turno em casa e só agora pude responder. Se eu fosse fodona e ricona, dessas que pode bancar “a revolução” compraria a idéia do jornal. Acho que você cairia muito bem em algo assim: O PASQUIM a ressurreição. Sei que você não faz o tipo baba-ovo pau mandado de mídia terrorista. No meu jornal, seria um sucesso!
    Liberdade para noticiar e opinar, deixando bem claro que tem um lado e qual é o dito cujo. Continue escrevendo, que continuarei por aqui (enquanto nosso jornal não vem hehehe). Bj!!!!

    Isso. Nosso jornal terá LADO: o NOSSO LADO, claro! beijo

  5. Thiago Ferreira disse:

    Cara, tudo bem, mas nada disso alivia a dor de corno de hoje. Eh foda, nem gaste mesmo fosfato pra me explicar nada.

    Quiéisso, Thiagão? Muita calma.

  6. Thiago Ferreira disse:

    Frase da semana : DO SENADOR PEDRO SIMON

    “Sou obrigado a reconhecer que, com toda a corrupção que teve de um tempo para cá, o que encontramos no governo Collor deveríamos ter enviado para o juizado de pequenas causas”.

    Pois é, daí se depreende a incapacidade dos arautos da moralidade em perceber a extensão real dos problemas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: